O ensino fundamental da tradição judaica é a ordem da Torá de “comer, ficar satisfeito e abençoar YHVH, seu Deus, para o bem da terra”.
Deve-se notar primeiro como essas palavras honram o próprio ato de comer. Em outras palavras, comer não é simplesmente um ato mundano de egoísmo, uma necessidade do mal ou algo que precisamos fazer para manter nosso corpo; isso é sagrado.

Os sábios talmúdicos ensinaram que a mesa de jantar é como o altar no templo e a refeição que comemos como a oferta que nos aproximou de Deus.
Imagem
Jay Michaelson, em Deus em seu corpo, explica: “A palavra hebraica para tais ofertas, korbanot, vem da mesma raiz que l'karev, a ser trazida para perto. Em vez de "sacrifícios", uma tradução melhor pode ser "marceneiros" ou mesmo "unificadores".

“Comer é simples”, continua ele, mas comer de uma maneira que cumpra o mandamento de ser satisfeito e abençoado “exige uma certa subtração” ou reduz o ruído de uma vida impossível e apressada.

Comer dessa maneira requer atenção plena, e a liminar judaica de meditar enquanto come é favorável a isso. Por exemplo, a declaração de Darchei Tzedek de que “o principal serviço de Deus é através da alimentação. Além disso, os tzaddikim (justos) meditam enquanto comem, no amor e no temor de Deus, como na oração. ”

O Talmud nos encoraja a cultivar um momento de sinceridade ao consumirmos nossa comida:

O milagre da comida que Deus fornece é tão espetacular quanto a cisão do Mar Vermelho2.

"Os desejos naturais do corpo são presentes de Deus", explica Michaelson. Ele cita o mestre hassídico Rabi Zusya de Hanipol, que disse:

A vontade do Criador, bendita seja Ele então, é “animar tudo”, pois estou fazendo Sua vontade comendo….

Foi Deus quem trouxe você a essa fome e sede. Pois a fome é de Deus3.


Finalmente, o sábio judeu medieval Bahya ibn Pakuda, de sua obra-prima, Os Deveres do Coração, escreve:

Quem quer que contemple os processos naturais do corpo - como quando o alimento entra nele, é distribuído por todas as partes do corpo - verá sinais de sabedoria que serão inspirados a agradecer ao Criador e louvá-Lo, como disse Davi:

Todos os meus ossos dirão: "Deus, que é como você!" (Salmos 35:10)

Ele verá como a comida passa para o estômago através de um tubo reto, chamado esôfago, sem curvatura ou torção; depois, o estômago digere mais profundamente a comida do que a mastigação; como então os alimentos são transportados para o fígado através de finas veias de conexão que atuam como um filtro, impedindo que qualquer coisa que passe pelo fígado; como o fígado converte os alimentos que recebe em sangue, que é distribuído por todo o corpo através de tubos que se parecem com canos de água e foram formados especificamente para esse fim ... Medite, meu irmão, na sabedoria do Criador em estruturar seu corpo.


Notas de rodapé: 1. Darchei Tzedik p. 18 Traduzido por Yitzhak Buxbaum em práticas espirituais judaicas, p. 226. Pesachim 118a

2. Citado em Mazkeret Shem HaGedolim (MH Kleinman, ed.), P. 79 Traduzido por Buxbaum em Práticas Espirituais Judaicas, p 231.

3. Rabino Bahya ibn Pakuda, Os Deveres do Coração, Portal do Discernimento, capítulo 5, traduzido para o hebraico por R. Yehuda ibn Tibbon em Haberman, ed., P. 196

FONTE: Food Yoga - Nutrindo corpo, mente e alma

DOWNLOAD a introdução gratuita a Introdução do livro Food Yoga PDF

Visite o YOGI ALIMENTAR site