Cultura Alimentar: Islão

Quem é gentil com as criaturas de Deus é gentil consigo mesmo Hadith do Profeta Maomé

Alimentos nas leis dietéticas islâmicas

Como muitas outras religiões, o Islã impõe uma série de regras alimentares a seus adeptos: a lei dietética islâmica geralmente faz uma distinção entre o que é permitido (halal) e o que não é (haram). De acordo com vários estudiosos, essas diretrizes também ajudam a criar uma identidade islâmica distinta, unindo os crentes como uma comunidade. Os alimentos permitidos e proibidos para os muçulmanos comerem são bastante simples de observar. 

Em relação às leis alimentares, o islamismo e o judaísmo são bastante semelhantes, embora em muitos outros aspectos, a lei corânica se concentre em estabelecer contrastes entre muçulmanos e judeus. A semelhança nas regras alimentares entre essas comunidades religiosas abraâmicas é provavelmente resultado de sua herança étnica compartilhada.

Cultura alimentar islâmica

Comida Halal

Certos alimentos que foram considerados comestíveis e legais pelas regras dietéticas islâmicas são conhecidos como alimentos halal, o que significa permitido. As regulamentações halal, no entanto, não são geograficamente nem temporalmente uniformes. Os muçulmanos são instados a consumir tudo o que tem o nome de Deus pronunciado em outros versículos (Alcorão 6:118). No entanto, não parece que tenha havido qualquer pensamento sobre o momento ou a maneira de louvar a Deus.

O discurso altamente intrincado sobre halal envolve formas específicas de pensar sobre a relação entre prática ritual, prova e desempenho, bem como insights sobre as fontes confiáveis ​​que a prática halal pode extrair. Os consumidores muçulmanos continuam a falar com o halal como se fosse padronizado e claro em muitas regiões do mundo, apesar da prevalência do discurso halal. Na vida cotidiana, as pessoas nem sempre perguntam sobre a definição precisa de halal antes de decidir se devem ou não consumi-lo. A relação entre pecado, redenção e niyyat (intenção) dentro das redes comerciais muçulmanas é, portanto, crucial para compreender o que constitui halal na prática.

Certificação Halal

O consumo muçulmano dentro de redes exclusivamente muçulmanas tornou-se mais desafiador como resultado das atuais mudanças comerciais e financeiras. Agora, consumir produtos sem carne ou comprar carne de canais muçulmanos não garante automaticamente o halal. Mesmo em situações não muçulmanas, o setor de certificação halal visa garantir a observância do halal em escala mundial. Aqui, a indústria enfatiza que os métodos de produção e as listas de ingredientes são essenciais para descobrir se os alimentos produzidos são ou não halal. Para obter a certificação halal mundial, o negócio halal hoje coloca uma forte ênfase na precisão genética e no gerenciamento da cadeia de suprimentos.

Como resultado, o conceito de halal se expandiu de seu foco original na ingestão e uso de apenas alimentos permitidos. A contaminação cruzada e a ciência alimentar são dois fenômenos simultâneos que precisam de um grau de compreensão profissional além daquele do provedor e consumidor muçulmano médio.

À medida que os produtos certificados halal consumidos tornam-se ligados à piedade pessoal na África do Sul, o licenciamento permite novos tipos de interações éticas (taqwa). As alterações através das quais o consumo halal, uma atividade principalmente local e comunitária, penetra na economia de mercado de consumo de massa serão ainda mais iluminadas por dados recentes sobre certificação halal em todo o mundo. A imagem mostra as mudanças e discussões muçulmanas à medida que lidam e se beneficiam das novas circunstâncias do comércio internacional e da produção moderna de alimentos, em vez de uma questão de transformação total.

Comida muçulmana

Alimentos Haram

Os muçulmanos são obrigados pela Lei Islâmica a abster-se de consumir certos alimentos. De acordo com outros, fazer isso é pelo bem da saúde e da higiene, bem como pelo cumprimento das leis de Allah. Os seguintes alimentos e bebidas são categoricamente proibidos (haram) no Alcorão (2:173, 5:3, 5:90–91, 6:145 e 16:115:

  • A carne de porco (porco).

  • Sangue.

  • Bebidas alcoólicas. Para muçulmanos devotos, isso também se aplica a condimentos ou líquidos de preparação de alimentos, como molho de soja, que pode conter álcool.

Comida e Festividades no Islã

Ramadan

O Ramadã é o mês anual de jejum do calendário islâmico que coloca o consumismo em foco. Os muçulmanos são obrigados a jejuar desde o amanhecer até o pôr do sol todos os dias do mês. O jejum é visto como uma prática disciplinar austera que cultiva a subjetividade religiosa, pelo menos de acordo com a interpretação normativa predominante (Schielke 2009). Durante o mês, os praticantes são instados a restringir suas palavras, olhos e pensamentos. As orações da noite são estendidas e a recitação do Alcorão é incentivada. Enquanto isso, o Ramadã é mais do que apenas jejum, oração e introspecção. Como os estudiosos cristãos apontaram, jejuar, celebrar e nutrir estão intimamente interligados (Bynum 2013, 277). O Islã não é diferente.

Organizações de notícias globais publicam ensaios fotográficos todos os anos que mostram as preparações elaboradas para jantares (refeições iftar) e mercados noturnos típicos do mundo muçulmano (ABC News 2018). De fato, há evidências substanciais de que o Ramadã está associado a comer, compartilhar e celebrar, conforme evidenciado pelas constantes exortações das autoridades religiosas para orar mais e comer menos. (Tayob 2017).

Imagem do Islã

Reconhecer o valor de comer durante o Ramadã requer voltar à ideia de Barakat como uma bênção. O Ramadã é considerado um mês de “grandes benefícios”, que podem ser interpretados como oração, comida, companheirismo e comércio. O Ramadã é um período que vê um aumento no consumo “permissível”, a maior parte do qual é gasto em uso comercial severamente proibido. Milhares de pessoas lotam os mercados noturnos em todo o mundo, inclusive na Índia, onde especialidades exclusivas são preparadas e servidas. A variedade de sabores disponíveis demonstra como o Ramadã é abençoado. As celebrações do Ramadã deste mês giram em torno de preparar e compartilhar comida, o que também é visto como um tipo de trabalho virtuoso (Tayob 2017, 151–175).

Qualquer um que sirva um indivíduo em jejum na ceia do pôr do sol é recompensado (sawab) de acordo com um mandato profético bem conhecido (iftar). Compartilhar comida com amigos pessoais, conhecidos e desprivilegiados resulta de apresentar a alimentação como uma virtude. Portanto, durante o mês, tanto a piedade quanto a caridade são destacadas (Khare e Rao 1986). Isso fica particularmente claro na refeição da noite que encerra o dia de jejum (iftar). Muitos acreditam que Barakat (bênçãos) são enviadas através da comida quando o destinatário está satisfeito, gosta da comida e está alegre.

Mesquitas em todo o mundo servem refeições iftar para congregações apoiadas por estados-nação, empresários e políticos. Naturalmente, o formato preciso das festividades do iftar depende do ambiente local, das estruturas governamentais e dos avanços econômicos. Em torno da “mesa iftar”, em Istambul, a crescente indústria de consumo neoliberal e a nostalgia otomana colidem.

Qurbani

Outro feriado islâmico significativo é o Id-ul-Adha. Id-ul-Adha comemora a prontidão do Profeta Ibrahim (Abraham) para sacrificar seu filho Ismail (Ismael) em desafio aos mandamentos de Deus e sinaliza a conclusão da viagem anual do Hajj. 

Está se tornando mais comum que os muçulmanos doem um alimento sacrificado para uma área carente ou em conflito, mostrando que o sacrifício não precisa ser feito pessoalmente. Nessas situações, a execução dos sacrifícios e a distribuição dos alimentos são garantidos em troca de uma taxa por grupos religiosos regionais ou intermediários internacionais, como o Islamic Relief. Neste caso também, uma compreensão tradicional de Barakat como uma bênção, um sacrifício e uma dádiva pode ser vista.

Livro Islâmico

Fome em um mundo de abundância

Absolutamente nenhuma matança é permitida quando os peregrinos se aproximam de Meca, incluindo até piolhos, formigas, gafanhotos e mosquitos. Se um peregrino vê um inseto no chão, ele gesticula para seus amigos para que tomem cuidado para evitar pisar nele. Este exemplo ilustra que, embora o Islã não seja geralmente visto como uma religião que promove o vegetarianismo e a bondade com os animais, a tradição islâmica tem muito a dizer sobre como as pessoas devem se relacionar com o mundo animal.

De fato, existem inúmeros exemplos de Maomé mostrando sua compaixão pelos animais. Em sua História de Maomé, o Profeta, Bilkiz Alladin cita o Profeta: “Mostre simpatia pelos outros... especialmente para aqueles que são mais fracos do que você”. De acordo com outros relatos biográficos, Mohammed foi citado como tendo dito: “Onde há abundância de vegetais, hostes de anjos descerão naquele lugar”.

Caridade

Zakāh (às vezes Zakāt/Zakat ou “esmola”), um dos Cinco Pilares do Islã, é a doação caritativa de uma pequena porcentagem de suas posses (riqueza excedente, incluindo alimentos), geralmente para indivíduos muçulmanos pobres e necessitados. Muitas vezes comparado ao sistema de dízimo e esmolas, o Zakāh serve principalmente como o serviço de bem-estar islâmico para os muçulmanos pobres e carentes, embora outros não sejam excluídos. A comunidade islâmica tem o dever não apenas de coletar o zakat, mas também de distribuí-lo de forma equitativa.

Zakat às vezes é referido como sadaqah e seu plural, sadaqat. Geralmente, o compartilhamento de riqueza é chamado de zakat, enquanto sadaqat pode significar compartilhar riqueza ou compartilhar felicidade entre a criação de Deus, como falar gentilmente, sorrir para alguém, cuidar dos animais e do meio ambiente, etc. é um meio de purificação espiritual. Não é visto como uma carga tributária, mas serve como um sistema sócio-financeiro do Islã, redistribuindo a riqueza entre os pobres e necessitados. Não há desacordo entre os muçulmanos sobre a natureza obrigatória do zakat. Simplesmente deve ser feito. Ao longo da história islâmica, negar o Zakat equivale a negar a fé islâmica.

Criança com fome

No entanto, os juristas muçulmanos divergem em muitos detalhes do zakat, cada um com sua própria opinião e argumentos sobre questões como frequência de distribuição, isenções e os tipos de riqueza que são zakatáveis. Alguns estudiosos consideram todos os produtos agrícolas zakatáveis, enquanto outros restringem o zakat a tipos específicos de produtos. Alguns consideram dívidas zakatable enquanto outros não. Diferenças semelhantes existem para ativos comerciais e joias femininas, bem como para o desembolso do zakat. Os muçulmanos cumprem essa obrigação religiosa dando uma porcentagem fixa de sua riqueza excedente. O Zakat tem sido comparado com um senso de justiça tão elevado que muitas vezes é colocado no mesmo nível de importância que o Salat1.

Os muçulmanos também veem esse ato como uma forma de se purificarem da ganância e do egoísmo, enquanto protegem os bons relacionamentos comerciais. Além disso, o Zakat purifica os destinatários porque os salva da humilhação de mendigar e os impede de invejar os ricos. Porque Zakat tem um alto nível de importância na cultura, a punição é severa por não praticar Zakat quando possível. A 2ª edição da Enciclopédia do Islã afirma: “…as orações daqueles que não pagam zakat não serão aceitas”. Existem duas categorias de caridade no Islã: obrigatória e voluntária.

Quem tem direito a receber Zakat?

Oito categorias de indivíduos podem receber o zakat, Alcorão Nobre (9:60) Os necessitados (muçulmanos ou não-muçulmanos) - Fuqara' Extremamente pobres (muçulmanos ou não-muçulmanos - Al-Masakin Aqueles empregados para coletar - Aamileen Aqueles cujos corações são a ser conquistado—Muallafatul Quloob Para libertar os cativos—Ar-Riqaab Aqueles em dívida (Muçulmanos ou Não Muçulmanos—Al Ghaarimeen No caminho de Allah—Fi Sabeelillah Viajantes (Muçulmanos ou Não Muçulmanos)—Ibnus-Sabeel Nota de Rodapé: 1. A oração ritual (salat) é realizada cinco vezes por dia: ao amanhecer (al-fajr), ao meio-dia (al-zuhr), à tarde (al-'asr), ao pôr do sol (al-maghrib) e à noite (al-'isha). .

Perguntas frequentes

Que chão é Haram para comer?

Na cultura islâmica, é proibido comer: alimentos que contenham antioxidantes, todos os tipos de insetos, répteis e carne de porco.

O que torna uma refeição Halal?

Para fins mais práticos, comida ou bebida vegana quase sempre será halal. 

Página muçulmana