Segurança Alimentar vs Insegurança Alimentar

Última atualização em 25 de maio de 2022
Paul Rodney TurnerPaul Rodney Turner

O que é insegurança alimentar?

Você sabe o que há para jantar hoje à noite? Quando você fará sua próxima refeição? Você é saudável o suficiente para o seu corpo processar esta refeição?

Se você respondeu sim a qualquer uma das perguntas acima, você é uma das pessoas afortunadas com segurança alimentar.

Neste post, exploraremos o significado de segurança alimentar versus insegurança alimentar e começar a entender como nós Food For Life Global ajudar a combater a insegurança alimentar.

Segurança Alimentar vs Insegurança Alimentar

A segurança alimentar é a confiança de saber onde e quando será sua próxima refeição e saber que, se estiver com fome, em breve poderá se alimentar. A Cúpula Mundial da Alimentação de 1996 definiu segurança alimentar como “quando todas as pessoas, em todos os momentos, têm acesso físico e econômico a alimentos suficientes, seguros e nutritivos que atendam às suas necessidades alimentares e preferências alimentares para uma vida ativa e saudável”.

Homem orando

Por outro lado, a insegurança alimentar é a incapacidade de saber onde e quando você poderá comer em seguida. Merriam Webster define insegurança alimentar como sendo "incapaz de acessar ou comprar alimentos de forma consistente"

Em 2018, o continente africano abrigava quase metade das pessoas com insegurança alimentar do mundo, cerca de 65 milhões de indivíduos.

Quais são os quatro níveis de segurança alimentar?

Existem quatro níveis de segurança alimentar que ajudam a determinar a gravidade da insegurança alimentar que alguém ou um grupo de indivíduos pode estar enfrentando.

Nível 1: Segurança alimentar.

Nesse nível, você tem os meios para comprar comida sempre que sentir necessidade. Você também tem fácil acesso à comida e não precisa se preocupar com onde ou quando sua próxima refeição acontecerá.

Frutas e legumes em cima da mesa

Nível 2: Insegurança alimentar marginal.

Aqueles que se enquadram no nível dois podem se preocupar com o dinheiro ser apertado e decidir entre, por exemplo, pagar aluguel ou fazer uma refeição. Os que estão neste nível raramente procuram ajuda do banco de alimentos para obter ajuda e geralmente mudam seus hábitos de consumo para poder suprir as necessidades da vida, como comida e abrigo.

Nível 3: Insegurança Alimentar Moderada

No nível 3, comprar comida é uma preocupação real, principalmente antes do próximo pagamento. Aqueles no nível 3 provavelmente começarão a diminuir a qualidade da comida que compram para garantir que não passem fome. Eles também são mais propensos a começar a procurar assistência para resolver seu problema de insegurança alimentar.

Nível 4: Insegurança Alimentar Grave

Aqueles que se enquadram neste nível propositalmente perdem as refeições porque não têm os recursos para comer quando estão com fome. Eles costumam contar com bancos de alimentos para a maioria das refeições.

Causas e Efeitos da Insegurança Alimentar

Pobreza

Indivíduos pobres não têm meios para criar ou comprar refeições de alta qualidade. Agricultores pobres podem ter pequenas fazendas, empregar práticas agrícolas ineficientes e/ou não ter meios financeiros para comprar fertilizantes e tecnologia que economiza mão de obra, o que restringe a produção de alimentos. Eles freqüentemente lutam para produzir alimentos suficientes para as famílias, quanto mais ganhar dinheiro vendendo produtos excedentes. Agricultores pobres podem ser transferidos para terras menos produtivas se não tiverem meios econômicos e poder político, causando assim mais degradação ambiental. Redução da pobreza é crucial para garantir que todos tenham comida suficiente.

Saúde

À medida que pessoas produtivas adoecem ou morrem como resultado da epidemia de HIV/AIDS, a produção de alimentos diminuiu em muitas nações. O uso e a disponibilidade de alimentos melhorarão quando as preocupações com a saúde forem abordadas. Uma mulher faminta dará à luz uma criança abaixo do peso, que terá crescimento atrofiado, doenças frequentes e problemas de aprendizado no futuro. Em crianças, alimentos e bebidas contaminados podem causar doenças, perda nutricional e até mesmo a morte.

Meio Ambiente

Grandes volumes de água são necessários para a produção de alimentos. Ter água suficiente está intimamente ligado à produção de alimentos suficientes. A irrigação pode proporcionar um abastecimento consistente e adequado de água, aumentando a produção agrícola.

A segurança alimentar pode depender das importações de alimentos de nações com abundância de água quando a água é escassa. Isso pode ser um melhor uso de um recurso limitado.

legumes vermelhos e amarelos em uma caixa branca

Crise

Secas, inundações, ciclones e pragas podem destruir rapidamente enormes quantidades de alimentos enquanto crescem ou são armazenados para uso posterior. Tais riscos ambientais podem prejudicar as sementes. À medida que os agricultores saem em segurança ou participam dos combates, o conflito pode limitar ou danificar os alimentos produzidos ou armazenados. Terrenos anteriormente produtivos podem ser poluídos com detritos explosivos e requerem limpeza antes de serem novamente utilizáveis ​​para a produção de alimentos. Os soldados podem devorar ou destruir alimentos armazenados, sementes e gado reprodutor, resultando em escassez de alimentos a longo prazo. Após as guerras, o financiamento do governo deve priorizar a segurança alimentar.

população

A segurança alimentar também tem efeitos sobre a população. A demanda por alimentos aumenta à medida que a população cresce. Como a maioria das terras férteis já está em uso, há pressão para torná-las mais produtivas. Colheitas empobrecidas e preços crescentes forçaram vários agricultores pobres a procurar empregos nas cidades. A produção de alimentos está sendo cada vez mais afastada das pessoas à medida que as cidades se expandem por terras produtivas. Isso aumentou o preço de todas as operações relacionadas à produção e transporte de alimentos, reduzindo a segurança alimentar para os pobres nas cidades.

Trading

Os países pobres podem fabricar produtos básicos a um custo menor do que os países ricos, mas os obstáculos comerciais criam dificuldades para que participem dos mercados de exportação. A pobreza alimentar tem consequências prejudiciais para o desenvolvimento físico e cognitivo das crianças. Na Somália, por exemplo, 20% das crianças morrem antes de completarem cinco anos. O estado nutricional das mulheres também é uma questão fundamental.

Funções de gênero

As mulheres têm um papel importante na obtenção da segurança alimentar nas sociedades. Como fornecedoras de alimentos, processadoras, comerciantes e geradoras de renda, as mulheres desempenham um papel fundamental no fornecimento de refeições e alimentação para suas famílias. A posição social e econômica inferior das mulheres, por outro lado, restringe seu direito à educação, emprego, propriedade, tomada de decisões e financiamento, bem como seu potencial para melhorar seu acesso e uso de alimentos.

A compreensão das mulheres sobre nutrição, segurança alimentar e prevenção de doenças pode ajudá-las a usar os alimentos de forma mais eficaz. À medida que as mulheres se engajam na aplicação de fertilizantes e sementes melhoradas, tecnologias que economizam mão-de-obra, irrigação e manutenção da terra, sua participação na tomada de decisões e no acesso à terra e ao financiamento aumentará a segurança alimentar.

Quais são os elementos da segurança alimentar?

É geralmente aceito que existem quatro componentes de segurança alimentar: disponibilidade, acesso, utilização e estabilidade.

Uvas, maçã e morango para venda

Disponibilidade

Algumas pessoas podem residir em áreas rotuladas como “desertos alimentares” e, portanto, simplesmente não têm acesso a alimentos, o que significa que não têm disponibilidade e se enquadram na categoria de insegurança alimentar.

Acesso a

Isso significa que uma pessoa tem os recursos necessários para comprar ou adquirir alimentos. Por exemplo, alguém pode não ter dinheiro suficiente para comprar comida e pagar aluguel, então precisa decidir qual dessas necessidades básicas é mais vital para a sobrevivência no momento. O acesso também pode ser definido como transporte confiável de e para a loja ou um local para obter alimentos.

Utilização

Refere-se à capacidade física de uma pessoa de obter energia dos alimentos por meio de funções corporais naturais. Por exemplo, alguém pode ter uma doença que não permite que seu corpo aproveite adequadamente os nutrientes que adquire através das refeições.

Estabilidade

Refere-se à ideia de que as três condições citadas precisam ser contínuas e não esporádicas para que um indivíduo tenha segurança alimentar. Se um ano uma cultura que é a principal fonte de alimento em uma área local é abundante, mas não foi nos últimos anos e ainda pode não ser no futuro, as condições não são estáveis ​​o suficiente para que a área seja considerada como alimento. seguro.

Juntos, esses elementos significam que uma pessoa tem os recursos necessários para sobreviver e prosperar.

Quais são as principais causas da Insegurança Alimentar?

Embora uma tese inteira possa ser escrita sobre as causas da insegurança alimentar, existem algumas questões principais que podemos analisar. Uma história de problemas persistentes como pobreza, doenças, violações dos direitos humanos, mudanças climáticas e escassez de alimentos, em combinação com os preços cada vez mais altos dos alimentos, contribuíram significativamente para a insegurança alimentar em África e em todo o mundo.

Homem sentado na rua ao lado com lata vazia e guarda-chuva

Essas questões são evidentemente grandes problemas e, ao resolvê-los, podemos resolver os problemas fundamentais da insegurança alimentar.

Quais são os impactos da Insegurança Alimentar?

A insegurança alimentar é conhecida por ter efeitos diferentes em países em desenvolvimento e desenvolvidos. Nos países em desenvolvimento, a Organização Mundial da Saúde estima que cerca de 60% das mortes infantis estão associadas à insegurança alimentar (Organização Mundial da Saúde. “Nutrition Research: Pursuing Sustainable Solutions.”). Essa falta de acesso à nutrição adequada deixa as crianças vulneráveis ​​a doenças como malária e diarreia, que são especialmente perigosas quando combinadas com a falta de acesso à água potável, aumentando ainda mais o risco de morte.

Outro impacto recentemente descoberto da insegurança alimentar é a violência doméstica. Segundo o Journal of Global Health, 35% das mulheres em todo o mundo sofreram algum tipo de violência doméstica por causa da insegurança alimentar.

Ao olhar especificamente para uma pesquisa realizada no Zimbábue, mais da metade da população feminina declarou ter sofrido violência que se esperava resultar da insegurança alimentar.

Qual é a diferença entre Fome e Insegurança Alimentar?

Embora a fome e a segurança alimentar estejam ligadas, elas não são exatamente a mesma coisa. De fato, o USDA recentemente eliminou as referências à fome de suas medidas de segurança alimentar, alegando a necessidade de pesquisas independentes e mais extensas sobre o tema. A seguir estão algumas distinções importantes entre os dois:

A segurança alimentar é antes de tudo uma questão socioeconômica (financeira e cultural), enquanto a fome é uma questão fisiológica (física). Os estudos de segurança alimentar procuram quantificar a disponibilidade confiável de alimentos fazendo perguntas como ansiedade de compras, orçamento para alimentos nutritivos e falta de alimentos. Por outro lado, a fome é uma experiência corporal. Podemos dizer que a fome é uma das possíveis consequências da insegurança alimentar, mas a fome geralmente não é o resultado da insegurança alimentar.

pimentões e abobrinhas em uma bandeja preta

Em segundo lugar, acompanhamos a segurança alimentar e a pobreza nos níveis doméstico e individual. Alguns membros de uma família que sofrem de pobreza alimentar podem passar fome, enquanto outros não. Famílias em lares com insegurança alimentar, por exemplo, podem ter refeições suficientes para alimentar seus filhos, mas também estão com fome.

Como podemos medir a segurança alimentar e a insegurança alimentar?

Então, com toda essa discussão sobre o que é, como podemos avaliar algo como insegurança alimentar? As medidas anuais do USDA são usadas por Food for Life Global e muitos outros organizações de combate à fome. A cada ano, um número crescente de famílias completa uma breve pesquisa que é incorporada ao censo.

Apenas dez perguntas são feitas, com 8 questionários extras para famílias com crianças. As perguntas vão desde as menos sérias (“Tínhamos medo de que nossa comida acabasse antes que pudéssemos ter dinheiro para comprar mais”) até as mais sérias (“Você ou outros adultos de sua família já passaram um dia sem comer porque havia não há dinheiro suficiente para pagar nos 12 meses anteriores?”).

O USDA divide as famílias em quatro categorias com base em sua segurança alimentar: alta segurança alimentar, segurança alimentar marginal, segurança alimentar precária e segurança alimentar extremamente baixa. Se três ou mais indícios de insegurança alimentar são relatados por um domicílio, considera-se que possui baixa segurança alimentar. Os agregados familiares com três sintomas de insegurança alimentar E algum nível de alimentação abaixo do que deviam/falta de refeições são considerados como tendo uma segurança alimentar muito baixa.

Como combater a Insegurança Alimentar?

Frutas e legumes em cima do prato

Quando falamos sobre as causas da insegurança alimentar, precisamos lembrar que não existe uma causa nem um efeito. Todo o ciclo é um ciclo de feedback negativo, o que essencialmente significa que A leva a B, que por sua vez leva a A.

Por exemplo, pense na pobreza. A falta de fundos leva à insegurança alimentar (através da incapacidade de comprar alimentos) que leva à pobreza (talvez impossibilitado de trabalhar devido à fome). Quebrar o loop é incrivelmente difícil e normalmente não é um loop que pode ser quebrado sem ajuda externa, como o fornecido por Food For Life Global.

As Nações Unidas sugerem focar no desenvolvimento regional e cooperar além-fronteiras. No entanto, isso não combate as terríveis questões de insegurança alimentar e fome que precisam de atenção imediata, principalmente na África Subsaariana.

Uma das melhores coisas que você pode fazer para ajudar é doar. Apenas US $ 10 alimentarão 20 crianças e as ajudarão a sair do ciclo de feedback negativo. Você também pode voluntarie seu tempo. 

Juntos, podemos ajudar a acabar com a insegurança alimentar e quebrar o ciclo de fome e pobreza.

 

Juntos, podemos ajudar a acabar com a pobreza.

Doe Agora!

https://ffl.org/app/uploads/2019/10/6Billionmeals-2.jpg

Apoie o importante trabalho da Food for Life Global para atender sua rede internacional de mais de 200 afiliadas em 60 países.
O Food for Life Global é uma organização de caridade 501 (c) (3), EIN 36-4887167. Todas as doações são consideradas dedutíveis de impostos, sem quaisquer limitações à dedutibilidade aplicáveis ​​a um determinado contribuinte. Não foram fornecidos bens ou serviços em troca de sua contribuição.

A principal missão da Food For Life Global é trazer paz e prosperidade ao mundo através da distribuição de refeições puras à base de plantas, preparadas com intenção amorosa.

Como causar um impacto

doar

Ajude as pessoas

Crypto Currency

Doe criptografia

Animal

Ajude Animais

angariação de fundos

Fundraise

Projectos

Oportunidades voluntárias
Torne-se um advogado
comece seu próprio projeto
AJUDA DE EMERGÊNCIA

VOLUNTÁRIO
OPORTUNIDADES

Torne-se um
Defensor

Comece o seu
Projeto Próprio

EMERGÊNCIA
ALÍVIO

Publicações Recentes